Perfil: Marius Petipa

Marius_Petipa_-1898
Petipa é o autor dos ballets clássicos mais tradicionais

Marius Ivanovich Petipa pode ser facilmente apelidado de “pai” do ballet romântico. O coreógrafo viveu entre 1818 e 1910 e foi responsável por assinar a montagem de repertórios clássicos ainda extremamente populares entre as maiores companhias do mundo. Entre eles estão O Lago dos Cisnes, A Bela Adormecida, O Quebra-Nozes, Don Quixote, Raymonda, Giselle, O Corsário e La Bayadère.

Nascido em Marseille, na França, Petipa teve contato com a dança desde cedo. Seu pai era bailarino e ele mesmo começou a acompanhá-lo em turnês com a companhia aos nove anos. Aos 16, entrou no Théâtre Nantes, e foi lá que ele começou a coreografar algumas peças.

Em 1847, após alguns anos trabalhando como dançarino na França, ele foi para a Rússia, onde seu trabalho tomou proporções históricas.Dois meses depois da sua chegada, tornou-se bailarino principal e maître de ballet do Mariinsky, até hoje a maior companhia de São Petersburgo. Lá, Petipa ficou conhecido como coreógrafo em 1859, ao assinar a montagem de A Filha do Faraó. No entanto, foi apenas em 1869 que ele se tornou o coreógrafo-chefe da companhia.

Pierina, a pioneira dos 32 fouettés
Pierina, a pioneira dos 32 fouettés

O trabalho de Petipa se caracteriza pelo virtuosismo e pelo rigor técnico, além dos gestos carregados de dramaticidade. O Lago dos Cisnes é prova disso: a gente falou sobre as mímicas dos mis-en-scènes, verdadeiros diálogos com o corpo. Ainda no Lago, podemos comprovar o rigor técnico na coda de Odile, o cisne negro. Foi nesse ballet que a exigência dos 32 fouettés apareceu pela primeira vez. A bailarina que “inspirou” essa ideia foi Pierina Legnani, muito por conta da sua habilidade técnica.

Os 32 fouettés na coda se tornaram uma assinatura de Petipa, que a reaplicou em vários de seus repertórios. Outra assinatura do mestre foi o uso extensivo do corpo de baile durante toda a apresentação, com coreografias que exigiam sincronia precisão milimétrica das bailarinas.

O último grande ballet coreografado por Petipa foi Raymonda, em 1898. O mestre se aposentou em 1903, com dezenas de repertórios (entre montagens originais e recriações) no currículo. Fica difícil precisar quantos porque alguns deixaram de ser apresentados e caíram no ostracismo e outros se “fundiram”.

American Ballet Theatre
O corpo de baile, marca registrada do maître de ballet!

 

Mais perfis:

Rudolf Nureyev

Darcey Bussel

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s